quinta-feira, 5 de julho de 2012

Porque a aula de Pilates é cara?


No estúdio sempre chega algumas perguntas e até críticas sobre o valor das aulas de Pilates.
Então postarei o que acho e adoraria saber a sua opinião também.

Fonte: Internet

Lei de Mercado

Para começar a entender o que determina o preço das aulas de Pilates vamos ao conceito básico da lei de mercado. Oferta e procura.
Há dez anos atrás as aulas de Pilates eram só para poucos, pois quase ninguém conhecia o método. Para fazer a formação era preciso sair do Brasil, nessa época poderia ser: SE É RARO, É CARO.
Hoje em dia o Pilates está cada vez mais difundido pela mídia, muitos famosos praticam Pilates. Se por um lado o número de profissionais habilitados para trabalhar com a técnica cresceu a procura também e se a procura é maior que a oferta, o preço sobe.

Investimento do profissional é caro

Além do profissional ser formado em Fisioterapia ou Educação Física, quem ministra as aulas de Pilates precisa investir em aulas e cursos. Um curso de formação básica em Pilates pode custar até 12 mil reais, fora as atualizações e mini-cursos específicos ( para gestantes, para patologias da coluna, para escoliose, para crianças, etc). Esse profissional muitas vezes fez pós-graduação e também investiu nisso. Se ele decidir montar o próprio estúdio ainda irá investir no mínimo 35 mil reais em equipamentos e instalações, além das contas mensais que haverá.

Paga-se pelo serviço como um todo

Diferente de uma consulta médica, o aluno paga não apenas pelo atendimento. As aulas precisam ser preparadas previamente, muitas vezes demandam pesquisas e leituras. Tudo baseado em uma avaliação física e postural, montar a aula, dependendo do caso, pode levar mais tempo do que a aula propriamente dita. Claro que essa proporção diminui a medida que o profissional torna-se mais experiente.

Em estúdio, o atendimento geralmente é individual, podendo ser também com dois, três ou até quatro alunos por hora e isso também encarece o valor da aula. Alguns estúdios disponibilizam bebedouro, chá, cafezinho, sala de espera com televisão e vestiários, onde é possível tomar banho e sair pronto para qualquer compromisso. Outras facilidades podem fazer o preço ser mais salgado como a localização, estacionamento, política de reposições e concorrência.

Valorização profissional

Se eu não valorizar o meu trabalho, quem o fará? Essa é a pergunta que eu me faço sempre e que todos os profissionais deveriam fazer. Já perdi alunos em função do valor da minha aula e não me abalo com isso. Paga quem quer e ás vezes quem pode e mesmo assim tenho os horários quase todos preenchidos.
O que não posso admitir é cobrar pouco por um serviço de qualidade, que toma uma grande parte do meu tempo e da minha energia, para o qual estudei mais de 6 anos e continuo estudando, e perceber que o aluno não valoriza isso. Muitas vezes a pessoa gasta com roupas de grife, viagens ao exterior, carro, restaurante, balada e quer economizar com Pilates. Complicado!

Não sou uma instituição filantrópica, porém contribuo da forma que posso para atender aqueles que realmente precisam dos meu serviços como Fisioterapeuta e Instrutora de Pilates.


Amo o que faço, faço o que amo!



Fonte: http://centraldopilates.blogspot.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário